O lançamento da Sonda Solar Parker está previsto para a madrugada deste sábado, 11 (4h33, horário de Brasília), em Cabo Canaveral, na Flórida, EUA. Se a missão for um sucesso, a sonda, que tem o tamanho e o peso equivalentes aos de um carro pequeno, chegará mais perto da estrela do que qualquer outra nave até então, penetrando sua coroa (a camada mais externa da atmosfera solar).

Para não ser destruída pelo calor, a sonda conta com um escudo de compósito de espuma de carbono de 12 centímetros de espessura, envolvido por duas folhas de fibra de carbono, que mantém a temperatura atrás dele a menos de 30 graus Celsius (na frente, chega a mais de 4 mil). Esse escudo é o que permite à Nasa realizar o sonho antigo de uma missão espacial na coroa solar.

O nome da sonda é uma homenagem a Eugene Parker, físico que previu a existência dos ventos solares (a torrente de partículas ionizadas e campos magnéticos que o sol lança continuamente ao espaço, atingindo inclusive a Terra). A previsão é que ela chegue ao Sol ainda em novembro deste ano (atingirá quase 700 mil km/h no percurso) e mande os primeiros dados em dezembro. Sua missão durará pouco menos de sete anos e, nesse tempo, ela orbitará a estrela 24 vezes.