Por fora e por dentro

Salvador, numa homenagem ao Dia do Geólogo

Enquanto informa sobre os 50 anos do Instituto de Geociências da Universidade Federal da Bahia (IGeo/UFBA), com comemorações marcadas para a quarta-feira, 6 de junho, Olívia Cordeiro, diretora da instituição, manda de presente a imagem geológica de um cartão postal de Salvador e um trechinho delicioso e inspirador de O poço do Visconde, livro famoso de Monteiro Lobato.  Em tempo, quarta-feira, 30 de maio, data de início da greve da Petrobas,  se comemora o dia do geólogo. A propósito, o Instituto de Geociências e a Petrobras têm tudo a ver, porque foi com vistas a preparar mão de obra altamente especializada para a empresa brasileira de petróleo, entre outros objetivos, que Edgard Santos, o fundador da UFBA, criou 50 anos atrás a Escola de Geologia, que viria a se tranformar no Igeo. As duas instituições seguiram pelos anos afora estabelecendo numerosas parcerias em projetos de pesquisa nos campos de geofísica do petróleo e geoquímica do petróleo.

Veja abaixo o trechinho de

O poço do Visconde:

A um quilômetro dali havia um morro com grande desbarrancado — a “barreira”, como se dizia no sítio. O Visconde levou-os para lá. Diante da barreira, parou e sorriu.

Os meninos entreolharam-se. Não compreendiam que o Visconde encontrasse matéria para sorriso num barranco feio como todos os mais.

— Que gosto é esse, Visconde? — perguntou Emília.

— Ah, o sorriso que tenho nos lábios é um sorriso geológico — o sorriso de quem sabe, olha, vê e compreende. Este barranco é para mim um livro aberto, uma página da história da terra na qual leio mil coisas
interessantíssimas.

Mariluce Moura | Ciência na Rua