Revoltada com o preço do botijão de gás, dona Claudine inventa um novo jeito de fazer misto quente. A sorte é que Elisa conheceu um projeto desenvolvido na Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN): um fogão solar, que capta a energia do sol e permite cozinhar os alimentos sem perigo. O protótipo foi desenvolvido pela equipe do laboratório de máquinas hidráulicas do curso de Engenharia Mecânica, coordenado pelo professor Luiz Guilherme Meira de Souza. O equipamento custaria no mercado R$150, o preço de duas cargas de botijão de gás, e mais nada para funcionar.