Toru Yamanaka/ AFP

Yu Yanagisawa prova: basta encostar uma parte na outra e o vidro se refaz

O cientista japonês Yu Yanagisawa pesquisava adesivos que pudessem ser usados em superfícies molhadas, mas a investigação tomou um rumo inesperado e ele acabou desenvolvendo, sem querer mesmo, um tipo de vidro que se regenera quando os cacos são moldados.

Em outras palavras, o químico Yanagisawa inventou um vidro que se conserta sozinho depois de quebrado.

O feito abre uma avenida para o desenvolvimento de materiais bem resistentes, o que seria bem útil para produtos como janelas de carros, materiais de construção, aquários, e, principalmente, telas de celular que insistem em espatifar quando caem no chão.

Em seu laboratório na Universidade de Tóquio, o cientista fez uma demonstração que correu o mundo. Yanagisawa quebra um vidro em dois pedaços, depois une as duas partes por alguns segundos e (tá-dá!) o vidro volta ao estado anterior, sem fissuras.

E como você está curioso para saber de que é feito esse vidro auto-regenerável, Yu Yanagisawa conta que o material é fabricado combinando um polímero e uma tiocarbamida, mais semelhante ao acrílico que aos cristais minerais usados nos telefones celulares, por exemplo.

O jornal O Globo informou, no último dia 28/12, que “o segredo de sua descoberta está na tiourea, que usa a ligação de hidrogênio para dar ao cristal sua propriedade autoadesiva. (…) O protótipo ainda não é perfeito, e sua resistência diminui quando a temperatura chega aos 40ºC-45ºC. Além disso, essa tecnologia não pode ser aplicada a vidros já quebrados formados por materiais antigos”.

Aqui você pode acompanhar a explicação química do que acontece na regeneração do vidro e, a seguir, poderá ver a demonstração no laboratório do químico Yu Yanagisawa, da Universidade de Tóquio, no Japão.