O vírus zika é uma emergência de saúde pública de importância internacional, declarou o Comitê de emergências da Organização Mundial da Saúde (OMS).

Margaret Chan, diretora geral da OMS ponderou em entrevista coletiva que a declaração não é pelo zika vírus em si, já que ele normalmente provoca uma infecção leve.

A emergência é especificamente pela associação do zika com “agrupamento de distúrbios neurológicos e malformações neonatais”, que incluem a microcefalia e a síndrome de Guillain-Barré alertou Chan.

Para se ter uma ideia da gravidade da associação do zika com a microcefalia, em anos  passados a OMS declarou emergência de saúde pública internacional para a gripe suína (Influenza H1N1) e o ebola.

Ou seja, a correlação entre zika e o conjunto de doenças neurológicas envolvidas está para a Organização Mundial da Saúde no mesmo patamar de gravidade dessas duas doenças.

Na prática, isso significa liberar recursos mundiais para investir em mecanismos de detecção, prevenção e controle de um problema que pode atingir a saúde de toda a humanidade.

A diretora Chan declarou que não deve haver restrições às viagens e ao comércio com o Brasil e demais países com alto risco de contaminação, apesar de admitir que gestantes “podem considerar” o adiamento de uma viagem não urgente ou, pelo menos, devem “consultar seu médico” e tomar medidas de autoproteção.