Seis inspiradores

Fernanda Pompeu | 18 de agosto de 2016

 

Fiz uma lista de seis pessoas, inovadoras e iluminadas, que me ajudam a tocar em frente

infinitos tipos de pessoas. As boas, as más, as mais ou menos. Inovadoras, copiadoras. Ousadas e medrosas. Há também as inspiradoras – aquelas das quais nos lembramos quando precisamos tomar decisões. Fiz uma lista de 6 pessoas que me ajudam a tocar em frente. Se você se entusiasmar, acrescente à lista os seus inspiradores.

 

Galileu Galilei (1564-1642)

O italiano nascido em Pisa tinha o espírito renascentista que o fez apostar na razão e na matemática batendo de frente com os dogmas da toda poderosa Igreja Católica. Galileu demonstrou a teoria de Nicolau Copérnico de que era o Sol e não a Terra o centro do nosso universo. Por conta disso enfrentou a Inquisição e acabou em prisão domiciliar até a morte. Ter lutado sem trégua pela verdade fez a minha cabeça.

 

Marie Curie (1867-1934)

Ela morreu aos 67 anos em consequência da manipulação intensa de materiais radioativos. Mas antes disso levou dois Prêmios Nobéis. Um de Física, outro de Química. Foi ela quem descobriu os elementos químicos polônio (PO) e rádio (Ra). Também é a criadora da palavra radioatividade e das unidades móveis de radiografia. Para mim, essa polonesa é a mensagem de que as mulheres podem chegar no topo da Ciência.

 

Steve Jobs (1955-2011)

O inventor da maçã eletrônica, a empresa Apple, é uma das personagens impactantes da vida contemporânea. Devemos a ele e à sua equipe a produção do primeiro computador pessoal, do iPod, do primeiro smartphone inteligente de fato e do iPad. Mas a grande sacada desse californiano foi sua obsessão pelo simples. Ou seja, conceber a tecnologia digital amigável. Isto é, para uso de qualquer mortal.

 

Machado de Assis (1839-1908)

 

Carioca, neto de escravos, nasceu no morro do Livramento. Desde os 16 anos queria ser escritor e, de fato, trabalhando em uma tipografia publicou seus primeiros versos. Mas seria na prosa que Machado se tornaria o mestre dos mestres. Entre suas obras-primas, figuram o romance Dom Casmurro e contos que dão água na boca. Meu fascínio por esse escritor vem desde a minha adolescência. O que ele tem como poucos? Prosa elegante, sintética, irônica. Digo mais, a prosa perfeita. É um Himalaia.

 

Simone de Beauvoir (1908-1986)

Escritora e intelectual francesa, companheira de Jean-Paul Sartre. Ela influenciou feministas no mundo inteiro. Não só pelo seu estilo de vida desgarrado das tradições, mas principalmente por seus livros impregnados de críticas ao modelo patriarcal que tenta sujeitar as mulheres. Também foi grande frasista. Uma de suas frases virou slogan: Ninguém nasce mulher, torna-se mulher. Trocando em miúdos, os papéis feminino e masculino são construções culturais. Portanto passíveis de mudar.

 

Marcus Flávio Pompeu (1930-2013)

Nasceu em Fortaleza. Com 3 meses a família se mudou para o Rio de Janeiro. Aos 18 anos se filiou ao Partido Comunista Brasileiro. Funcionário concursado do Banco do Brasil, dedicou-se ao sindicalismo até o Golpe de 1964 – que rendeu-lhe uma prisão, a demissão sumária do emprego e a cassação de seus direitos políticos. Mas ele nunca desistiu de lutar por suas ideias. Jamais abrandou sua convicção de que pessoas organizadas podem muito mais do que indivíduos solitários. Aprendi com ele o prazer de acordar às 6 da matina para realizar os sonhos. Ele foi o cara. Meu pai.

 

Fernanda Pompeu é escritora e blogueira. Mantém o site Fernanda Pompeu Digital



Deixe uma resposta