Dona Claudine se matriculou numa aula nova na academia da terceira idade. Para ela, a novidade trouxe dor nas costas. Para os ouvintes, boas risadas.

Enquanto pega uma carona no elevador, a velhinha vai entender que o ritmo é um fator determinante nas modalidades esportivas. O professor Emerson Franchini, da Escola de Educação Física e Esporte da Universidade de São Paulo (USP), estuda justamente o ritmo, chamado tecnicamente de pacing, no treinamento do judô.

Franchini defende que nos treinamentos, os judocas realizam simulações de luta em diferentes condições que podem afetar o pacing. A velocidade dos ataques e a fadiga acumulada atuam no bom desempenho dos atletas.

Os resultados do estudo indicam que os atletas de judô podem reorganizar o comportamento durante a luta e alterar  o ritmo dos ataques ao adversário para lidar com os diferentes estados de fadiga. Observar o próprio ritmo e o dos adversários pode levar a mais vitórias, portanto.