Uma em cada sete pessoas saiu de seu local de origem em 2018. Com um bilhão de pessoas em movimento, a migração é uma realidade global. E urge que governos, agências multilaterais, organizações não-governamentais e pesquisadores compreendam o impacto da migração para que ações transversais sejam pensadas para esta parcela da população. É o que defende a Comissão UCL-Lancet em Migração e Saúde, que lança um relatório sobre o tema no próximo sábado, 8 de dezembro, na Conferência Intergovernamental da ONU, em Marraqueche.

No Brasil, o lançamento ocorrerá no dia 17 de dezembro, às 17h, na Reitoria da Universidade Federal da Bahia (UFBA), em Salvador. O evento será conduzido pelo membro da Comissão Mauricio Barreto, professor da UFBA e coordenador do Centro de Integração de Dados e Conhecimentos para Saúde (Cidacs/Fiocruz Bahia).

Além de Barreto, estão previstas no lançamento curtas apresentações do reitor da UFBA, João Carlos Salles; do presidente da Academia de Ciências da Bahia (ACB), Jailson Andrade; da assessora de comunicação e divulgação científica da UFBA, Mariluce Moura, e das pesquisadoras do Cidacs Júlia Pescarini e Dandara Ramos. O evento, promovido pelo Cidacs em parceria com University College London (UCL) e o periódico científico The Lancet, tem apoio da Academia de Ciências da Bahia e da UFBA.

A Comissão – resultado de um projeto de dois anos liderado por 20 especialistas de 13 países – inclui a análise de dados novos, com dois artigos originais de pesquisa, e representa a mais abrangente revisão da evidência disponível até a data. O relatório ainda inclui recomendações para melhorar a resposta em saúde pública em relação à migração.