O ano de 2015 foi escolhido pela Unesco, braço da Organização das Nações Unidas (ONU) que trata de educação e cultura, como o Ano Internacional da Luz. Iniciativas assim têm como objetivo chamar a atenção do público para temas da ciência que impactam diretamente a vida cotidiana.

Nos balanços da Unesco, o Ano Internacional da Luz – que reuniu eventos e discussões sobre o direito à luz, a produção de energia limpa e o acesso aos benefícios da iluminação pela população – foi um sucesso. E, para que esse movimento não se esvaziasse, nem se perdesse com o tempo, a organização instituiu que 16 de maio passaria a ser o Dia mundial da luz.

Wikimedia

Reflexão total da luz nas bolhas de sabão, um dos temas das oficinas do evento

A data não foi escolhida por acaso e marca o momento da primeira emissão de raios laser, em 1960. Ainda a pedido da Unesco, instituições científicas de algumas cidades brasileiras se juntaram e vão promover um final de semana comemorativo ao dia mundial da luz.

Inclusive, a exposição Jogos de Luz, iniciativa deste nosso Ciência na rua, apoiada pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e Instituto Tim, continua em cartaz e leva crianças de 7 a 10 anos a se aventurar pelo mundo das luzes, cores e sombras. A exposição é composta por estações interativas onde os visitantes aprendem os conceitos ligados à luz e, principalmente, brincam com a física e a ciência. A mostra segue é aberta ao público e pode ser visitada aos sábados e domingos, das 14h às 17h, no Museu Dinâmico de Ciências, no Parque Portugal, em Campinas. Para visitas ao longo da semana, basta agendar pelo tel (19) 3252.2598.

Especialmente em comemoração ao dia da luz, em São Paulo, os eventos acontecerão nos Planetários da cidade. “Nossa ideia é divulgar o papel importante da luz e suas tecnologias nas vidas dos cidadãos em áreas tão diversas como a ciência, cultura, arte, educação, e com aplicações importantes como na medicina, comunicações e energia”, explica a bióloga Natália Pasternak, coordenadora dos planetários paulistanos.

Para a programação acontecer por aqui, foi necessária uma parceria da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), em parceria o grupo Arte e Ciência, coordenado pelo Prof. Mikiya Muramatsu, do Instituto de Física da Universidade de São Paulo (IFUSP) e do The International Society for Optics and Photonics & The American Optical Society (SPIE & OSA).

Como dia 16 de maio cai numa quarta-feira, os organizadores preferiram jogar os eventos para o final de semana. A programação completa está logo aqui abaixo. A ideia de Natália foi sacudir um pouco o formato tradicional desses eventos comemorativos e, em vez de palestras longas, convidou cientistas de várias árias para fazerem pequenas falas bastante incisivas. “São os Planetalks, no modelo dos Ted Talks. Em poucos minutos, você precisa contar e defender sua ideia, de forma tão impactante que o público saia entusiasmado e com vontade de saber mais sobre aquilo”, explica a coordenadora. Entre os talks confirmados, pesquisadores vão tratar de fotossíntese, imagem digital, luz sincrotron e o cosmos.

Pela mesma razão, os organizadores abriram o leque de discussões não se limitaram a trazer os aspectos físicos e óticos da luz. “Vamos falar de protetor solar, porque todo mundo usa e pouca gente sabe como ele, no fundo, repele a luz. Vamos falar de bolhas de sabão, que são uma unanimidade entre crianças e estão ligadas à reflexão da luz também”.

Além das falas, haverá oficinas para crianças, demonstração de raio laser, sessões com projeção na cúpula do planetário e observação com telescópios. O professor Mikiya Muramatsu conta que o Arte e Ciência preparou oficinas bem especiais para os pequenos. “Vamos ensinar a fazer luneta e caleidoscópio, porque óptica é muito divertido para crianças e elas precisam conhecer as possibilidade. Tudo que envolve luz e sombra é bonito e alegre e afasta das crianças a noção de que ciência é chato, sério e difícil. Elas podem fazer com as mãos todas as descobertas que os físicos levaram séculos para fazer. Além da parte prática, a equipe do Arte e Ciência ainda vai encantar os participantes com projeções. “Vamos produzir dois arco-íris, vamos projetar o interior de uma gota milimétrica e vamos brincar com sombras coloridas”, antecipa Muramatsu.

Tiago Marconi

Jogos de Luz segue aberta ao público, em Campinas/SP

Segue abaixo a programação do Dia da Luz, que é gratuita e não precisa de inscrição prévia, mas o público deve chegar com antecedência para retirar os ingressos. Lembrando que tudo acontece no Parque do Ibirapuera, que fica na Av. Pedro Álvares Cabral, sem número. Vale a pena atentar em qual local do parque acontece a oficina, ou a projeção ou o planetalk, porque são espaços espalhados pelo Ibirapuera.

Sábado, 19.05:
9h30 Demonstração de bolha de sabão – Representantes do grupo Arte e Ciência explicarão como funciona uma bolha de sabão, enquanto convidam o público para participar das diversas atividades em comemoração ao Dia Internacional da Luz.
Duração: 30 minutos
Local: Na arena de eventos, entre o Planetário do Ibirapuera e o Museu Afro.

10-17h Experimentos interativos (óptica, lógica)
Responsáveis: Equipe do Arte e Ciência
Idade recomendada: > 5 anos
Local: Saguão da Escola Municipal de Astrofísica
Inscrições: A atividade é livre e não necessita de inscrições

10h-17h Como funciona o laser – Serão apresentados diversos experimentos com lasers pela equipe do SPIE & OSA (The International Society for Optics and Photonics & The American Optical Society) Student Chapter no Brasil, que são grupos que estudam lasers e fotônica em diversas universidades pelo mundo.
Responsável: Noé Machado
Idade recomendada: > 10 anos
Local: Salas da Escola Municipal de Astrofísica
Inscrições: As inscrições são feitas no local do evento por ordem de chegada

10h Brincadeira com luzes e cores – O que é sombra? E como uma sombra pode ser colorida? E como surgem as cores? Um objeto vermelho é sempre visto como vermelho? Para responder estas e outras perguntas, venha participar dessa brincadeira com luzes e cores.
Responsáveis: Equipe do Arte e Ciência
Duração: 30 minutos
Idade recomendada: > 5 anos
Local: Auditório da Escola Municipal de Astrofísica
Inscrições: As inscrições são feitas no local do evento por ordem de chegada

11h Demonstração de laser – A equipe do SPIE & OSA apresentará vídeos mostrando o trabalho desse projeto, bem como diversas aplicações cotidianas de laser. Após a apresentação dos vídeos, será feita uma demonstração de um experimento com laser em meio líquido.
Responsável: Noé Machado
Duração: 20 minutos
Idade recomendada: > 10 anos
Local: Auditório da Escola Municipal de Astrofísica
Inscrições: As inscrições são feitas no local do evento por ordem de chegada

11h Sessão de Cúpula: A Janela Mágica – Em uma visita a um centro espacial, o garoto Joãozinho e seu cãozinho Thor embarcam por acidente em uma missão espacial, rumo ao Telescópio Espacial Hubble. Nessa aventura, o Astronauta Lopes ensina várias coisas sobre as estrelas, as constelações e muito mais.
Faixa etária: Indicada para crianças de 5 a 12 anos.
Duração: 40 minutos.
Local: Sala de projeção do Planetário do Ibirapuera
Ingressos: Adquiridos pelo site da Prefeitura ou da Ticket Fácil. Haverá cota para retirada no local com 1h de antecedência.
Obs: Esta sessão também será apresentada no dia 20, às 11h

13h30 Oficina: Caleidoscópio – Nesta oficina, montaremos um brinquedo antigo, bastante conhecido: o caleidoscópio. A montagem será feita com um tubo plástico contendo glicerina e água, onde pequenos objetos se movimentam e têm suas imagens refletidas muitas vezes, formando figuras simétricas e dinâmicas.
Responsáveis: Equipe do Arte e Ciência
Duração: 30 minutos
Idade recomendada: > 5 anos
Local: Sala de aula da Escola Municipal de Astrofísica
Inscrições: As inscrições são feitas no local do evento por ordem de chegada
Apoio: Sociedade Brasileira de Física

14h Sessão de Cúpula: Olhar o Céu de São Paulo Outra Vez – Um passeio pelo céu, em comemoração aos 60 anos do Planetário do Ibirapuera. Desde a sua inauguração, sob a direção do professor Aristóteles Orsini, o Planetário do Ibirapuera recria em suas sessões as maravilhas do céu noturno ocultas pela poluição da grande metrópole. Vamos explorar os objetos celestes mais fascinantes, visíveis na noite da data de inauguração do Planetário, dia 26 de janeiro de 1957, como Marte, a constelação de Órion, e o Cruzeiro do Sul, terminando com uma chuva de meteoros na madrugada.
Faixa etária: Destinada ao público de todas as idades.
Duração: 50 minutos
Local: Sala de projeção do Planetário do Ibirapuera
Ingressos: Adquiridos pelo site da Prefeitura ou da Ticket Fácil. Haverá cota para retirada no local com 1h de antecedência.
Obs: Esta sessão também será apresentada no dia 20/05, às 20h

15h30 Oficina Foto na Lata – Aprenda como funcionavam as máquinas fotográficas antigas utilizando apenas uma lata de alumínio com um pequeno orifício, que registrará a imagem em papel fotográfico. Você vai fotografar, revelar a foto e guardar a imagem final no seu celular.
Responsáveis: Equipe do Arte e Ciência
Duração: 1h
Idade recomendada: > 10 anos
Local: Gramado em frente à Escola Municipal de Astrofísica
Inscrições: As inscrições são feitas no local do evento por ordem de chegada
Apoio: Sociedade Brasileira de Física

15h30 Oficina: Luneta – Usando canos de PVC e lentes, os participantes desta oficina montarão uma luneta com um aumento de 30 vezes. Além de objetos terrestres, o participante poderá observar a Lua, estrelas e outros objetos brilhantes do céu noturno.
Responsáveis: Equipe do Arte e Ciência
Duração: 1h
Idade recomendada: > 10 anos
Local: Sala de aula da Escola Municipal de Astrofísica
Inscrições: As inscrições são feitas no local do evento por ordem de chegada
Apoio: Thorlabs

17-19h PlaneTalks (15-20min cada)
Visão do cosmos – Fernando Nascimento, diretor dos Planetários de SP
Natureza da luz – Ana Carolina Bruno Machado – Univ. Cruzeiro do Sul
Sol: nossa fonte de luz – Dinah Allen, Planetários e IAG-USP
Vivendo de Luz – Fotossíntese – Dan Lahr IBUSP
Como funciona uma imagem digital? Thales Trigo – fotógrafo
O que é luz síncronton e para que serve esse tal projeto Sirius? Douglas Galante, pesquisador LNLS
Local: Sala de projeção do Planetário do Ibirapuera
Ingressos: Evento gratuito, mas requer retirada de ingressos. Haverá distribuição online pelo site Ticket Fácil e também uma cota reservada a ser retirada na bilheteria. Distribuição na bilheteria terá início uma hora antes do evento.

21h Experiência Sonora – Em uma viagem espacial, esta atividade nos lança pelas estrelas para explorar o cosmo e seus mistérios. Criado em parceria com os Planetários de São Paulo, o roteiro faz uma jornada pelo imaginário da astronomia. A travessia coloca os participantes em contato com observações científicas, fenômenos cósmicos e encruzilhadas filosóficas.
Responsáveis: Projeto Sonora
Idade recomendada: Recomendada para o público geral a partir de 5 anos
Duração: 45 minutos
Local: Sala de projeção do Planetário do Ibirapuera
Ingressos: Evento gratuito, mas requer retirada de ingressos. Haverá distribuição online pelo site Ticket Fácil e também uma cota reservada a ser retirada na bilheteria. Distribuição na bilheteria terá início uma hora antes do evento.

23h Sessão de Cúpula ao vivo – Os recursos do Planetário permitem a contemplação de um céu que muitos já esqueceram: repleto de estrelas, como se não existisse poluição atmosférica, e transportar o público para diferentes lugares e épocas.
Faixa etária: Recomendada para o público geral a partir de 5 anos
Duração: 40 minutos
Local: Sala de projeção do Planetário do Ibirapuera
Ingressos: Evento gratuito, mas requer retirada de ingressos. Haverá distribuição online pelo site Ticket Fácil e também uma cota reservada a ser retirada na bilheteria. Distribuição na bilheteria terá início uma hora antes do evento.

Domingo, 20.05
0h Observação Noturna – Nossos telescópios no Parque do Ibirapuera apontarão para a Lua e para outros objetos interessantes visíveis nessa noite. A atividade depende de boas condições meteorológicas para acontecer.
Vagas: Livre
Público: Atividade não indicada para crianças menores de 12 anos. Não haverá fila preferencial para crianças.
Duração: 1h
Local: na arena de eventos, entre o Planetário do Ibirapuera e o Museu Afro.
Ingressos: A atividade é livre e não necessita de inscrições. A fila é organizada por ordem de chegada.

1h Sessão de Cúpula: Planetas do Universo – versão estendida – Astrônomos já encontraram mais de 3 mil planetas ao redor de outras estrelas. Alguns desses mundos poderiam abrigar vida? Estaríamos sozinhos no Universo? A possibilidade de vida fora da Terra continua uma hipótese difícil de comprovar, dadas as enormes distâncias que nos separam desses planetas. Até agora, as descobertas mais recentes sobre os planetas fora do Sistema Solar só reforçam o quão única é a Terra. Uma oportunidade para refletirmos sobre nosso papel na preservação do planeta para as futuras gerações.
Faixa etária: Recomendada para o público geral a partir de 5 anos
Duração: 1h30
Local: Sala de projeção do Planetário do Ibirapuera
Ingressos: Adquiridos pelo site da Prefeitura ou da Ticket Fácil. Haverá cota para retirada no local com 1h de antecedência.

4h30 Sessão de Cúpula: Voyager – versão estendida – A sessão apresenta sons e imagens relacionadas às sondas Voyager 1 e Voyager 2. Lançadas ao espaço em 1977, as sondas exploraram os planetas gigantes gasosos do Sistema Solar: Júpiter, Saturno, Urano e Netuno, e algumas de suas luas. Cada uma das Voyagers carrega consigo um disco dourado gravados com representações da diversidade da vida na Terra e das culturas humanas. Quarenta anos depois de seu lançamento, as Voyager são os artefatos humanos mais distantes da Terra. Elas continuam sua jornada, agora para além do Sistema Solar, carregando uma mensagem de esperança para quem quer que as encontre. Esta é uma versão mais completa daquela apresentada no Planetário do Carmo.