Há pelo menos 20 anos estudos têm mostrado que o consumo moderado de álcool pode ter efeito protetor para o sistema cardiovascular. Mas ainda não se sabia bem por quê. Uma pesquisa conduzida no Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade de São Paulo (ICB-USP) indica que essa proteção pode estar relacionada com a ativação de uma enzima mitocondrial que ajuda a eliminar do organismo tanto os subprodutos tóxicos gerados pelo metabolismo do álcool.

O estudo sugere que a exposição moderada ao etanol causa um pequeno estresse nas células do coração, não suficiente para matá-las, mas capaz de reorganizar o sinal intracelular e a célula cardíaca acaba criando uma memória bioquímica contra estresse, garante o coordenador da pesquisa Julio Cesar Batista Ferreira, professor do Departamento de Anatomia do ICB-USP.

Nem precisa dizer que a velhinha do 83 já foi abrindo a adega e separando umas garrafas enquanto ouvia a novidade.

A foto que você viu na abertura é do clube de enólogas e sommeliers que Dona Claudine fazia parte logo que entrou na faculdade. Mas ela não lembra nem o ano e nem o nome das colegas.