No alto dos galpões e armazéns bem pouco usados das fazendas de cana de açúcar instaladas na região de Ribeirão Preto, interior de São Paulo, há sempre um ninho de vespa. Basta olhar para o beiral dos telhados que eles estão sempre ali. A escolha dos animais não é à toa. Aliás, como veremos a seguir, nada acontece por acaso na organização dos insetos sociais. As vespas da espécie Polistes satan, por exemplo, sabem que esses locais são seguros e dão fácil acesso a alimentos.

André Rodrigues

Toda trabalhada nas cores e na antena de transmissão

Em ambientes modificados, onde o homem já deixou suas marcas, essas vespas constroem ninhos com uma organização que lembra um condomínio, um perto do outro, mas não a ponto de concorrer. E, ao contrário, os indivíduos que voam e trazem alimentos são bem vindos em qualquer ninho, mesmo que não seja o seu de origem.

“A gente não percebe, mas à medida que modificamos o ambiente, vamos impondo uma nova forma de vida aos insetos sociais e eles passam por uma espécie de seleção. Não natural, mas provocada pelo homem”, explica o biólogo Fábio Santos do Nascimento. “Em geral, esses insetos somem, mas às vezes encontram um caminho e prosperam”. É o caso dessa da Polistes satan, também conhecida como marimbondo-cavalo.

Professor da Universidade de São Paulo (USP) em Ribeirão Preto e especialista em comportamento animal, Nascimento coordena o Laboratório de comportamento e ecologia de insetos sociais da Universidade e está à frente de uma pesquisa que sugere uma forma de troca e interação bem reveladora entre as vespas.

Lembra aquele papo de adaptação? Então, num ambiente super-natural, em que não há interferência humana significativa, as colônias não se organizam como no ambiente das fazendas. A ideia de formar uma cidadezinha (e daí vem o nome polistes) organizada, com estrutura hierárquica (sim, eles têm uma rainha marimbonda super-poderosa, o outros são operários) e com indivíduos podendo entrar e sair de qualquer ninho, é coisa recente na evolução e, apostam os cientistas da USP de Ribeirão, foi o resultado das mudanças provocadas pelo homem.

Foi observando essa livre circulação que o grupo de Fábio Santos do Nascimento começou a ficar interessado em mapear os passeios dos marimbondo-cavalo entre os ninhos e se perguntou o que faz um inseto levar comida para um ou outro agrupamento de vespas, como fazem essa escolha e motivado por qual ideia?

André Rodrigues

Livre circulação entre colônias garante alimento para todos

Aí veio a novidade: a tecnologia aplicada para monitorar os bichos. “Nós pintamos a região do tórax das vespas de forma a identificar cada um dos indivíduos, como a reportagem vai sair perto do Carnaval, é importante explicar esse colorido todo”, brinca o professor. Depois, os pesquisadores instalaram um metal, um minúsculo transmissor de 2mm em cada marimbondo-cavalo estudado. Uma anteninha, digamos assim e seguindo os dados enviados por ela, o grupo montou um mapa e quantificou a entrada e saída de cada vespa em cada um dos ninhos.

O jogo de detetive revelou um outro jogo – bastante profissional – entre os insetos. “O que descobrimos parece muito com a chamada Teoria dos Jogos e indica que o marimbondo-cavalo leva mais alimento para aqueles ninhos que julga mais promissores”. Entendeu? É uma aposta na bolsa de valores da colônia, a vespa investe onde acredita que vai dar mais resultado. Os bichinhos são bem arrojados.

E qual é o critério de força das ações, ou melhor, da comunidade que o marimbondo-cavalo avalia? “A prole”, revela Nascimento. A melhor maneira de saber se uma colônia está indo bem é analisar a quantidade de ovos e pupas que ela está produzindo. Inteligente o sistema. Parece coisa de ser humano.

Parece mesmo, garante o professor. Animais sociais, como as formigas e os humanos, têm comportamentos similares. A escolha pelo investimento em uma ou outra colônia; ajudar quem está mais precisado, ou quem vai prosperar mais; cooperar ou competir são posturas vistas nos insetos e nos homens e mulheres.”Estudar um é entender o outro, mesmo com toda a complexidade que significa a espécie e o agrupamento humano”, conclui Fabio Santos do Nascimento, professor da USP de Ribeirão Preto.