Autor: Ciência na rua

Viver ciência

  Para mim, a boa aula de ciências é aquela na qual se tem debate, troca de ideias e argumentos. Ela não teria milhões de power points expostos em uma aula. Teria um ou dois com tempo para pensar sobre cada um deles. Não teria apenas o conteúdo. Teria o conteúdo e exemplos de como aquilo vai se encaixar na minha vida. Fora isso, teria mais pesquisa, levantamento de dados e palestras. Aulas fora da sala de aula, experiências e coleta de materiais. Poderíamos ver as coisas acontecendo na nossa frente. Não teríamos apenas o relato de alguém que...

Leia Mais

Essas mulheres cientistas

Desde a celebração do Ano Internacional da Química, em 2011 (AIQ-2011), tenho participado de várias conferências internacionais sobre o papel das mulheres na ciência mundial, o que tem sido uma experiência bacana, especialmente pela riqueza de informações sobre mulheres fascinantes, de diferentes etnias e regiões, que têm contribuído de forma marcante para o avanço da ciência mundial, em todas as áreas do conhecimento. O papel das mulheres para a evolução da espécie humana na terra historicamente esteve associado ao trabalho doméstico, sempre esmerado, ao cuidado da família, motivo pelo qual fomos alcunhadas de “rainha do lar”. Mas a contribuição...

Leia Mais

O batom é nosso

– Você sabia que no batom tem petróleo? Essa pergunta era feita às mulheres para convencê-las a assinar um dos manifestos da campanha “O Petróleo é Nosso”, a favor da criação de uma empresa estatal responsável pela pesquisa, prospecção, refino, distribuição do petróleo e seus derivados. Jovens leitores, a Petrobras está na vida dos brasileiros desde a juventude de seus avós. Quem me contou a história do batom foi a Clara Charf, incansável comunista, como são todos os comunistas. Não se intimidam com difamações e nem prisões. Clara me explicou a estratégia: “As mulheres nas décadas de 1940/1950 pouco...

Leia Mais

O que andavam aprontando essas mentes brilhantes dos 14 aos 25 anos? Aí estão Paulo Artaxo, Ado Jorio, Adriano Nunes-Nesi e Alvaro Avezum

Entre os 3.126 cientistas apontados pela Divisão de Propriedade Intelectual e Ciência da Thomson Reuters como as mentes científicas mais influentes do mundo (The World’s Most Influential Scientific Minds 2015) estão apenas quatro brasileiros: Paulo Artaxo, Ado Jorio, Adriano Nunes-Nesi e Alvaro Avezum. O que eles faziam entre os 14 e os 25 anos? Ciência na rua vai mostrar isso a você, começando por Paulo Artaxo, professor do Departamento de Física da Universidade de São Paulo, na área de Geociências. Leia a matéria: O garoto tímido da zona norte de São Paulo virou um cientista influente no mundo.  Depois...

Leia Mais

Entre os avanços da pesquisa e o avanço da epidemia de microcefalia há um descompasso natural

Na terceira semana de janeiro, entre os dias 17 e 23, foi noticiado o primeiro caso de microcefalia ligado a infecção por zika nos Estados Unidos, a OPAS/OMS lançou um alerta sobre o aumento dos casos da síndrome de Guillain Barré, de anomalias congênitas e outras manifestações autoimunes e, por último, a Fiocruz do Paraná constatou que o zika atravessa a barreira da placenta e contamina o bebê no útero. A expectativa em relação a novos achados científicos sobre zika, microcefalia e outros males ainda mal conhecidos disparados pela infecção pelo vírus é alta. E natural, porque se não...

Leia Mais