Astrônomos descobrem planeta gigante ao redor de estrela jovem

Pamela Gouveia | 09 de junho de 2016
Stephane Guilloteau/University of BordeauxmGNAEhO

Disco circumstellar de gás e poeira que circunda a estrela CI Tau

Até então era senso comum de que os planetas maiores levavam mais tempo para se formarem, mas astrônomos norte-americanos anunciaram, na semana passada, a descoberta de um planeta gigante em órbita estreita, em torno de uma estrela tão jovem que ainda mantém um disco circunstelar de gás e poeira.

“Durante décadas a sabedoria convencional afirmou que grandes planetas levariam em torno de, no mínimo, 10 milhões de anos para se formar”, disse Christopher Johns-Krull, o principal autor de um novo estudo sobre o planeta, CI Tau b, que será publicado no periódico Astrophysical Journal, um dos mais conceituados no mundo. “Isso tem sido questionado na última década, mas ainda precisamos identificar um número realmente expressivo de planetas recém-formados em torno de estrelas jovens, para conseguir entender completamente a formação dos planetas”, contou.

O recém-descoberto CI Tau b é um planeta pelo menos oito vezes maior do que Júpiter e orbita em uma estrela de 2 milhões de anos de idade, cerca de 450 anos-luz da Terra, na constelação de Touro. Johns-Krull e outros doze co-autores de instituições como a Rice University, o Lowell Observatory, a Universidade do Texas em Austin, a NASA e a Universidade do Norte do Arizona, fizeram uma revisão online do estudo nesta semana.

Exoplanetas

Christopher Johns-Krull (Photo by Jeff Fitlow/Rice University)

Christopher Johns-Krull (Photo by Jeff Fitlow/Rice University)

Um exoplaneta, ou planeta extrassolar, é um planeta que orbita uma estrela que não seja o Sol e, desta forma, pertence a um sistema planetário distinto do nosso. A Terra e o Sol têm mais de 4 bilhões de anos, o catálogo de exoplanetas inclui alguns dos mais antigos e alguns dos mais jovens planetas, com relação à Terra. Os obstáculos para encontrar planetas em torno de estrelas recém-formadas, segundo Johns-Krull, são muitos e assustadores. Há relativamente poucas estrelas jovens, brilhantes o suficiente – para serem vistas em detalhe nos telescópios existentes, e que ainda mantêm o disco de gás e poeira, a partir do qual os planetas se formam.

CI Tau b orbita a estrela CI Tau, uma vez a cada nove dias. O planeta foi encontrado com o método de velocidade radial, uma técnica de caça-planeta que depende de pequenas variações na velocidade de uma estrela para determinar a força gravitacional exercida por planetas próximos. A descoberta resultou de um compilado iniciado em 2004, com 140 estrelas na região de Taurus-Auriga.

Lisa Prato

Lisa Prato

“Este resultado é único porque ele demonstra que um planeta gigante pode se formar tão rapidamente que o gás remanescente e a poeira da jovem estrela ainda está presente”, disse Lisa Prato de Lowell Observatory , co-líder da pesquisa e co-autor do artigo.

Johns-Krull disse que a equipe examinou cerca de metade das jovens estrelas na amostra da pesquisa, e os dados sugerem que mais planetas podem ser encontrados.

“Não somos o único grupo na busca de planetas em torno de estrelas jovens. Espero que mais astrônomos encontrem um número suficiente deles para lançar luz sobre algumas das perguntas persistentes a cerca da formação de planetas”, disse Johns-Krull.

Com informações do release da Rice University em http://www.eurekalert.org/pub_releases/2016-05/ru-afg052616.php

 



Deixe uma resposta